Alergénios

As pessoas sofrem tipicamente de alergias a frutos secos, mariscos, e certas frutas. 

Uma reação alérgica pode ser produzida por uma pequena quantidade de um ingrediente alimentar ao qual uma pessoa é sensível. Os sintomas de uma reação alérgica podem ser ligeiros (comichão ou erupção cutânea), mas podem progredir para sintomas mais graves, tais como vómitos, diarreia, pieira e, ocasionalmente, anafilaxia (choque).
As intolerâncias alimentares são quando as pessoas têm dificuldade em digerir determinadas substâncias, tais como o glúten, e sentem inchaço, cãibras estomacais e diarreia.
Portanto, é realmente importante ser capaz de identificar facilmente os alergénios nos rótulos dos alimentos.
Ao verificar os ingredientes nos rótulos dos alimentos pré-embalados, que indicam os ingredientes alergénios e a informação para os alimentos não pré-embalados, significa que as pessoas podem orientar-se de forma clara se forem alérgicas.

Os cientistas europeus responsáveis pelas alergias alimentares contribuíram com os seus pareceres científicos para o processo legislativo de rotulagem dos alimentos. Atualmente, os fabricantes de alimentos vendidos na União Europeia devem rotular 14 alergénios ao abrigo da legislação da UE. Estes incluem cereais contendo glúten, leite, ovos, frutos secos, amendoins, soja, peixe, crustáceos, moluscos, aipo, tremoço, sésamo, mostarda e sulfitos. E a ciência dos alergénios continua a evoluir para que esta lista possa ser atualizada no futuro.
É reconfortante saber que a ciência está presente para ajudar os consumidores a fazer escolhas seguras.